CONTECSI - International Conference on Information Systems and Technology Management - ISSN 2448-1041, 20th CONTECSI - INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION SYSTEMS AND TECHNOLOGY MANAGEMENT VIRTUAL

Tamanho da fonte: 
IDENTIFICATION OF REQUIREMENTS FOR THE DEVELOPMENT OF ELECTRONIC MEDICAL RECORDS IN A DIAGNOSTIC IMAGING CENTER
Arthur Vinicius Santos Silva, Larissa Ionafa, Lucas da Silva Santos, Gilberto Perez

Última alteração: 2024-01-07

Resumo


This study aims to identify crucial functionalities for the efficient use of the Electronic Health Record (EHR) by healthcare professionals in Diagnostic Imaging Centers. Through online interviews, the needs and perceptions of professionals regarding the EHR used in their healthcare institution were identified. The analysis of this information allowed for the creation of documentation proposing the implementation of essential functionalities for the interviewees, considering usability and interface, functional, technical, and legal requirements. The study significantly contributes to the field of digital healthcare by identifying opportunities for improvement in the EHR, resulting in enhanced patient care and increased productivity among healthcare professionals.


Palavras-chave


Digital Health, Electronic Patient Record, Diagnostic Imaging Center, Requirements Engineering, Usability and Interface

Referências


Aquino, D. R., & Lunardi Filho, W. D. (2004). Construção da prescrição de enfermagem informatizada em uma UTI.

Azevedo, P. M. de, & Gibertoni , D. (2020). A Importância do Design Centrado no Usuário em Metodologias Ágeis como Requisito de Usabilidade. Revista Interface Tecnológica,[S. l.], 17 (2), 293-305.

Batista, E. C., de Matos, L. A. L., & Nascimento, A. B. (2017). A entrevista como técnica de investigação na pesquisa qualitativa. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada11(3), 23-38.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bezerra, S. M. (2009). Prontuário Eletrônico do Paciente: uma ferramenta para aprimorar a qualidade dos serviços de saúde. Revista Meta: Avaliação, 1 (1), 73-82.

Boni, V., & Quaresma, S. J. (2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista eletrônica dos pós-graduandos em sociologia política da UFSC2(1), 68-80.

Borges, H. L., & Moro, C. M. (2006). Usabilidade e interface gráfica para a especificação do prontuário eletrônico do paciente. In Anais do 10º Congresso Brasileiro de Informática em Saúde. Florianópolis: Santa Catarina.

BRASIL. Ministério da Saúde. (2017). Gabinete do Ministro. Portaria nº 2920, de 31 de outubro de 2017. Brasília.

Brown, S. (2022). The C4 model for visualising software architecture. Disponível em: <https://c4model.com/>, acesso em: 12/10/23.

Cardoso, R. B., Ferreira, B. J., Martins, W. A., & Paludeto, S. B. (2017). Programa de educação permanente para o uso do prontuário eletrônico do paciente na enfermagem. Journal of health informatics9(1).

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (Brasil). (2002). Resolução CFM nº 1.638/2002, de 10 de julho de 2002. Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, n. 153, 9 ago. 2002a. Seção 1, p. 184-185. 2002.

Dick, R. S., Steen, E. B., & Detmer, D. E. (Eds.). (1997). The computer-based patient record: an essential technology for health care.

Galvão, M. C. B., & Ricarte, I. L. M. (2011). O prontuário eletrônico do paciente no século XXI: contribuições necessárias da ciência da informação. In CID: Revista de Ciência da Informação e Documentação2(2), 77-100.

Gambi, E. M. F., Ferreira, J. B. B., & Galvão, M. C. B. (2013). A transição do prontuário do paciente em suporte papel para o prontuário eletrônico do paciente e seu impacto para os profissionais de um arquivo de instituição de saúde.

Jenal, S., & Évora, Y. D. M. (2012). Revisão de literatura: implantação de prontuário eletrônico do paciente. Journal of health informatics4(4).

Lima, V. S., Lima, V. S., Vale, T. M. D., & Pisa, I. T. (2018). Prontuário eletrônico do cidadão: desafios e superações no processo de informatização. Revista de Saúde Digital e Tecnologias Educacionais, Fortaleza, 3 (esp), 100-113

Macedo, Paula. (2016). Mapeando a jornada e a experiência do usuário​. UX Collective BR. Disponível em: <https://hdibrasil.com.br/conteudo/ferramentas-de-design-thinking-mapa-da-jornada-do-usuario>, acesso em: 14/10/2023.

Monteiro, E. K. R., Santos, J. A. M., & Santos, A. A. P. (2019). Prontuário eletrônico como ferramenta da gestão do cuidado. Revista de Saúde Dom Alberto4(1), 77-90.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, 22 (37), 7-32.

Nielsen, J. (1995). How to conduct a heuristic evaluation. Nielsen Norman Group1(1), 8.

Ribeiro, I. L., Costa, I. D. C. C., & Santa Rosa, J. G. D. S. (2014). Softwares para os serviços de saúde: uma revisão integrativa a respeito de pesquisas brasileiras. Revista Brasileira de Inovação Tecnológica em Saúde-ISSN: 2236-1103.

SBIS. (2002). O que é Certificação de S-RES SBIS. Disponível em <http://sbis.org.br/certificacao-sbis/>, acesso em: 18/04/2023.

Sommerville, I. (2011). Engenharia de software. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Yamamoto, T. T. I., Bandiera-Paiva, P., & Ito, M. (2015). Avaliação da usabilidade de interface gráfica de dois sistemas de gestão hospitalar. Journal of Health Informatics7(2).